Utentes

Parasitoses intestinais nas crianças

A Organização Mundial de Saúde estima em 3,5 biliões as pessoas afectadas por parasitas intestinais das quais 450 milhões são crianças com doença declarada. Estas parasitoses continuam a ser uma dor de cabeça em termos de saúde pública nos países em desenvolvimento.



A mudança operada nos modos de vida e nas condições higiénico-sanitárias do nosso país leva a considerar que o problema de parasitoses ainda persiste mas deixou de ser um preocupante problema de saúde pública em Portugal (de facto a taxa de parasitismo intestinal é muito baixa entre nós). Mas a sua prevenção e controlo continua no topo da agenda da saúde pública.


Importa recordar que nas crianças filhas de imigrantes a taxa de parasitismo é superior, o que coloca estas crianças numa situação de maior vigilância.


É provável que o leitor nunca tenha ouvido falar em ascaridíase, teníase, na amebíase, na giardíase e oxiuríases, infestações causadas por parasitas que podem aparecer nos intestinos das crianças e adultos.


Recorde-se que há mais de 100 tipos diferentes de parasitas intestinais, que podem entrar no corpo através do nariz, da pele, dos alimentos, da água e por via das picadas dos insectos. A vulnerabilidade do organismo da criança leva-nos a compreender a importância em estarmos atentos aos sinais e sintomas destes parasitas que podem prejudicar, com maior ou menor gravidade, a evolução da gente pequena.


O que é fundamental reter é que estes parasitas aproveitam-se dessa debilidade do organismo da criança, instalam-se no intestino, depois depositam os ovos na margem anal ou fezes e esses ovos disseminam-se, por hipótese, através das mãos, brinquedos e outros elementos do uso quotidiano. E quando uma criança entra em contacto com outra que está infectada, ou com um brinquedo contaminado, e depois leva as mãos à boca, também esses ovos dos parasitas podem entrar no organismo através do aparelho digestivo, para além da entrada através de alimentos e água contaminados.


[Continua na página seguinte]









Nota: Os Médicos têm que fazer login para pesquisar informação restrita.